Translate       Traducir    
Boletim de Notícias
Boletim Eletrônico - N° 909
  
RECEBA AS NOTÍCIAS POR E-MAIL Cadastre seu E-mail
linhagrossa
Faça uma homenagem ao seu Pet, acenda a Chama da Recordação, clique aqui.
 
RJ: investigação de agressões em pet shop entra na reta final

Cenas de agressão a animais foram gravadas na pet shop Quatto Patas, no subúrbio do Rio. Foto: Daniel Ramalho/Terra
Cenas de agressão a animais foram gravadas na pet shop Quatto Patas, no subúrbio do Rio

As investigações sobre o caso de maus-tratos a cachorros na pet shop Quattro Patas, no Engenho de Dentro, na zona norte do Rio de Janeiro, por Daniel Barroso, 20 anos, já estão na reta final. De acordo com o delegado Tarcísio Jansen, da Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente (DPMA) que cuida do caso, na última sexta-feira o inquérito foi instaurado. Onze pessoas, entre testemunhas, autor (Daniel) e coautora (Solange Barroso, proprietária da loja e mãe de Daniel) foram ouvidas.

Durante essa semana, o delegado pretende ouvir mais uma testemunha, dona de outro cão que sofreu agressões segundo imagens divulgadas pelo jornal RJTV, da Rede Globo. A oitiva, no entanto, ainda não foi marcada. Jansen pretende enviar o caso ao Ministério Público (MP) até o fim da semana com todos os depoimentos concluídos. 'Claro que, aparecendo mais testemunhas, vamos ouvi-las também. Mas devo encaminhar o inquérito ao MP até o fim dessa semana', disse o delegado.

Jansen não quis revelar o teor dos depoimentos de Daniel, que aparece nas gravações batendo nos animais durante o banho, e de sua mãe, Solange Barroso, proprietária da loja. Ambos deverão responder a processo por maus-tratos, com penas que variam de seis meses a um ano de detenção por cada animal agredido - as imagens mostram três cachorros levando socos na cabeça e tapas, entre outras agressões. Solange ainda será responsabilizada por omissão.

As imagens já foram solicitadas à Rede Globo, segundo o delegado, e serão aceitas como provas válidas contra o autor e a coautora, além dos depoimentos das testemunhas. 'Já solicitamos as imagens e, durante essa semana, vamos assistir com calma para podermos analisar mais precisamente as agressões. Não tenho a menor dúvida sobre o dolo intenso nos maus-tratos. As imagens mostram isso claramente. Portanto, as gravações serão aceitas como provas válidas, assim como todos os testemunhos prestados no inquérito', concluiu Jansen.

O delegado já ouviu o depoimento de três ex-funcionários da loja, de dois donos de cachorros que aparecem nas imagens sendo agredidos, e de quatro clientes que costumavam levar seus bichinhos para tomarem banho no local.
O autor das agressões e sua mãe e proprietária da pet shop prestaram depoimento na última terça-feira da DPMA, em São Cristóvão, zona norte do Rio. Os depoimentos levaram cerca de 2 horas e 30 minutos e, ao saírem da delegacia, ambos esconderam o rosto para não serem fotografados e não quiseram falar com a imprensa.

Repercussão internacional

As imagens das agressões correram o mundo e viraram notícia nos principais jornais ingleses, como o Daily Mail (que chamou o caso de 'pet shop dos horrores') e o The Sun (que descreveu o vídeo como contendo 'cenas terríveis de crueldade contra os animais'), depois que um ex-empregado divulgou as imagens gravadas há cinco meses, em que Daniel aparece batendo nos cachorros.

Em um dos flagrantes feitos, um labrador - raça conhecida por ser dócil e brincalhona - não esboça nenhuma reação de ataque, mas leva uma sequência de socos e garrafadas na cabeça, além de ter sua cabeça jogada contra a parede do tanque em que toma banho. As imagens foram mostradas pela reportagem do RJTV para Solange, que se mostrou surpresa com a denúncia, disse que nunca recebeu reclamações de maus-tratos e que nunca viu seu filho machucar qualquer animal, apesar de também aparecer nas gravações, no momento em que Daniel bate em um cachorro.

A prefeitura suspendeu temporariamente o alvará de funcionamento da pet shop, até que o caso seja decidido pela Justiça. O proprietário do prédio onde ficava a loja cancelou o contrato de aluguel um dia após o vídeo ser divulgado na mídia. A pet shop Quattro Patas funcionava há quatro anos na rua Pernambuco, no Engenho de Dentro, no subúrbio do Rio.


Fonte: Terra Notícias - Publicado neste site em 03/11/2012