Translate       Traducir    
Boletim de Notícias
Boletim Eletrônico - N° 721
  
RECEBA AS NOTÍCIAS POR E-MAIL Cadastre seu E-mail
linhagrossa
Faça uma homenagem ao seu Pet, acenda a Chama da Recordação, clique aqui.
 

Descoberto criadouro clandestino de cães de raça

Um criadouro irregular de cães de raça foi localizado numa casa da Rua Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, no Capão Raso, na manhã desta quinta-feira (12).

No local, fiscais da prefeitura, policiais civis e militares e protetores de animais descobriram 56 cães acomodados de forma bastante precária e insalubre em pequenos espaços. Vários deles estavam doentes.

Três tiveram que ser levados com urgência a um hospital veterinário - um filhote porque estava com pneumonia e dois adultos com ossos quebrados. A dona da casa, uma mulher de 47 anos, foi detida e levada à Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente, onde assinou termo circunstanciado.

Uma protetora de animais, que prefere não se identificar, contou que uma amiga constatou a venda de cães de raça no local. Em Curitiba, a atividade é crime, já que a Lei Municipal 13.914/2011 proibe a criação de animais com destinos comerciais em áreas urbanas. Tais criadouros, registrados e com as devidas condições sanitárias, só podem existir em áreas rurais, ou seja, fora da capital.

Por conta desta lei, a mulher recebeu uma notificação dos fiscais da Divisão de Defesa e Proteção Animal, da Prefeitura, para que interrompesse imediatamente a venda dos cães.

Também foi notificada para que cuidasse das condições de higiene do criadouro e providenciasse boa alimentação, vacinas e remédios. Ela apresentou remédios e carteiras de vacinação de alguns bichos, porém as vacinações estavam irregulares e muitos medicamentos abertos, vencidos, mofados ou adquiridos sem receita médica. A ela deverá ser aplicada uma multa, que o órgão definirá como será aplicada.

Diante da afirmação da dona da casa, de que todos os cães poderiam ser levados embora, a representante da Sociedade Protetora dos Animais de Curitiba (Spac), Soraya Simon, se comprometeu com as autoridades em ser a fiel depositária dos 56 cães, com o objetivo de tratar os doentes e cuidar dos animais até encontrar lares pra todos.

Cães de raça

No criadouro irregular, os protetores e autoridades não localizaram nenhum vira-latas. Apenas cães das raças shihtzu, poodle, cocker, yorkshire, bulldogs francês e inglês, basset hound, pequinês e schnauzer.

Apesar de a dona da casa negar que comercializava cães, uma das protetoras esteve na casa, no dia anterior, se passando por interessada em comprar os cães e gravou um vídeo com o celular, que mostra as condições do local e prova que a dona da casa queria lhe vender um filhote de yorkshire por R$ 900.

Todos os cães estavam armazenados em pequeníssimos canis ou em caixas de madeira ou papelão improvisadas. Em algumas delas, havia até oito animais no mesmo espaço.

Não bastasse o local cheio de roupas espalhadas por todos os cantos, tudo estava muito molhado por causa das chuvas da madrugada e cheio de barro. As condições de luz eram insuficientes, e alguns bichos estavam quase fechados nas caixas. Tudo estava muito cheio de fezes e urina, num cheiro que chegava até a rua.

Uma veterinária, convidada pela Sociedade Protetora dos Animais de Curitiba (Spac), se comprometeu a elaborar um laudo de tudo o que viu. Ela constatou vários animais doentes.

Os casos que mais chamavam a atenção eram uma cocker com magreza extrema, quase em pele e osso. Um schnauzer estava com atrofia nas pernas traseiras e devia estar sentindo muita dor, pois em alguns passos que deu e tropeçou, se urinou todo.

Um filhote de poodle foi resgatado com urgência, com sintomas de pneumonia. Outro cocker e uma poodle também foram levados ao pronto-socorro com fraturas nas patas.

“As pessoas muitas vezes compram nas pet shops filhotinhos lindos e bem tratados e não sabem que os pais destes filhotes são tratados nestas condições degradantes, como as que encontramos neste criadouro”, revoltou-se Soraya Simon, da Spac.

Quem tiver interesse em ajudar os protetores e dar um lar decente aos cães, pode entrar em contato com a Salva Bicho, organização de protetores de animais que ajudou no resgate de ontem, pelos telefones 9682-5900 (Fabiane) e 9107-0044 (Danielle). O endereço da Sociedade Protetora dos Animais de Curitiba é Rua Professor Sandália Monzon, 140, Santa Cândida. O telefone é 3256-8211.

 

 


Fonte: Paraná On-line - Publicado neste site em 14/07/2012