Translate       Traducir    
Boletim de Notícias
Boletim Eletrônico - N° 604
  
RECEBA AS NOTÍCIAS POR E-MAIL Cadastre seu E-mail
linhagrossa
Faça uma homenagem ao seu Pet, acenda a Chama da Recordação, clique aqui.
 

Bocejo do cão pode dar pistas sobre o comportamento humano
Os cães que foram sujeitos ao estudo reagiram mais vezes aos bocejos dos donos   -  
Foto: Nelsón Quintão

Bocejo do cão pode dar pistas sobre o comportamento humano

Um grupo de investigadoras do ICBAS descobriu que os cães são sensíveis ao bocejo dos seres humanos. Este estudo pode ser o ponto de partida para descobrir as particularidades do comportamento humano.


Os bocejos dos donos 'contagiam' os cães. Esta é a conclusão de um estudo realizado por um grupo de investigadoras do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade do Porto/PT (ICBAS).  
A ideia surgiu numa tentativa de tentar passar para a prática alguns estudos que propõem que o cão é sensível às emoções dos seres humanos. Para testar a sensibilidade canina, as investigadoras deslocaram-se à casa de diversos voluntários e apresentaram aos cães gravações de bocejos humanos.

Os resultados mostraram que os 29 cães analisados reagiam mais vezes aos bocejos que reconheciam como sendo dos donos do que aqueles reproduzidos por pessoas anónimas. Karine Silva, uma das investigadoras, explica que 'o bocejo está relacionado com um estado de ativação de emoções no ser humano' e que 'o cão está sensível a isso'.

As investigadoras põem agora em perspetiva a ideia de que os cães podem sentir empatia pelos seus donos. Karine Silva fundamenta esta hipótese na existência de estudos neurocientificos que explicam que os ciclos neuronais envolvidos na sensibilidade ao bocejo são os mesmos que atuam em reações de empatia. 'Uma coisa poderá estar relacionada com a outra, mas são precisas mais investigações', afirma a investigadora.

A vertente útil deste projeto depende das investigações que terão de ser realizadas no futuro. Este grupo de investigadoras pretende usar o exemplo dos cães para tentar 'explicar como é que as características individuais', como o temperamento, a comunidade em que se inserem e a raça, 'poderão afetar a reação às restantes emoções'. A investigação que for desenvolvida a partir destes resultados poderá dar pistas sobre o comportamento humano, incluindo casos particulares de indivíduos que, muitas vezes, não são sensíveis às emoções dos outros, como, por exemplo, os autistas.

Fonte: TVI24 - Publicado neste site em 16/04/2012


VEJA TAMBÉM:
Osteoartrite: doença atinge 80% dos cães com mais de oito anos
Epidemiologista de Comissão de Saúde Chinesa: Coronavírus pode infectar cães e gatos
Nada de ração, alimentação natural é a tendência para Pets
Por que os cães andam dão voltas antes de adormecer?
Gatos são tão apegados aos donos quanto cachorros, diz estudo
Barbas são menos higiênicas que pelos de cachorro, sugere estudo
O que pode causar envenenamento em animais?
Cientistas descobrem como é que os cães pré-históricos caçavam as suas presas
Saiba porque avisar seu gato antes de sair de casa.