Translate       Traducir    
Boletim de Notícias
Boletim Eletrônico - N° 378
  
RECEBA AS NOTÍCIAS POR E-MAIL Cadastre seu E-mail
linhagrossa
Faça uma homenagem ao seu Pet, acenda a Chama da Recordação, clique aqui.
 
Ex-prefeito envenenou e matou animais, conclui investigação da polícia
Ex-prefeito é acusado de matar cerca de 47 animais envenenados


A polícia de Amélia Rodrigues concluiu na última semana o inquérito sobre o envenenamento e a morte de 47 cães nas localidades de Bângala e Bolandeira, em São Bento do Inhatá, distrito de Amélia Rodrigues, a 84 quilômetros de Salvador.

O fazendeiro João Barros de Oliveira, conhecido com João Roque, ex-prefeito de Conceição do Jacuípe, irá responder a um termo circunstanciado, usado em casos de menor potencial ofensivo. 'O que ficou evidenciado foi que os animais foram envenenadso através de laudo', diz o delegado José Antônio Teixeira, que concluiu o caso e o remeteu ao Ministério Público, que irá decidir se denuncia o ex-prefeito.

O ex-prefeito irá responder por maus tratos a animais, previsto na Lei de Crimes Ambientais, que prevê detenção de três meses a um ano e multa. Segundo o delegado, no entanto, em casos em que a pena é menor do que dois anos é comum que seja revertida para penas alternativas.

Em depoimento, João Roque negou ter envenenado os bichos e disse que adora animais. Segundo o delegado Teixeira, no entanto, a quantidade de testemunhas que viram João Roque envenenar os cães é considerável.


Animais foram envenenados e testemunhas viram ex-prefeito agir

O caso
O serial killer não escolheu raça, tamanho ou cor. Com uma luva e um saco amarelo cheio de carne, arremessou as ‘iscas’ envenenadas sobre muros e cercas dos terrenos. A carne, segundo moradores, era de um boi que João teria matado só para cometer o “cãocídio”. O que motivou tal atitude? Os moradores acreditam que o simples fato de alguns cães vizinhos terem atacado um dos seus bezerros. Quando perceberam o que João fazia, os moradores avisaram a PM. Tarde demais.

O veneno colocado pelo criminoso nos pedaços de carne era tão forte que, ao comer os restos mortais dos cachorros, um urubu morreu. Algumas pessoas passaram mal, inclusive um policial militar. Em protesto, donos de cachorros jogaram seus animais na propriedade de João de Roque. Um cão foi pendurado na cancela da fazenda. 



Fonte: Correio - Publicado neste site em 26/10/2011