Translate       Traducir    
Boletim de Notícias
Boletim Eletrônico - N° 272
  
RECEBA AS NOTÍCIAS POR E-MAIL Cadastre seu E-mail
linhagrossa
Faça uma homenagem ao seu Pet, acenda a Chama da Recordação, clique aqui.
 
Cães participam de terapia para crianças com Down

Inúmeras pesquisas apontam que a presença de animais na vida das pessoas traz diversos benefícios, garantindo mais saúde e qualidade de vida. Já imaginou os resultados que um animal de estimação pode trazer para portadores de necessidades especiais?

No primeiro semestre, 75% dos pacientes que participam da Terapia Assistida por Cães – método terapêutico desenvolvido a partir do contato com animais, utilizando cães como instrumento mediador entre o terapeuta e o paciente – alcançaram os objetivos propostos por meio das atividades realizadas.

Patrocinado pela MSD Saúde Animal e realizado pela ABRAHIPE – Associação Brasileira de Hippoterapia e Pet Terapia –, a Terapia Assistida por Cães atende crianças e adolescentes com deficiência física e mental na sede do Pequeno Cotolengo Dom Orione, em Cotia/ SP. Segundo a coordenadora das ações socioambientais da MSD Saúde Animal, Sandra Alves, a simples presença de um animal em um ambiente promove bem-estar, influenciando na saúde física e mental dos pacientes.

“A Terapia Assistida por Animais tem como objetivo proporcionar benefícios físicos, emocionais, cognitivos e sociais. Esse processo terapêutico deve ser planejado, medido e tabulado e os resultados avaliados com a finalidade de alcançar a finalidade proposta”, explica.

A responsável pela Terapia Assistida por Cães da Abrahipe, Paula Bicchile Suelotto, ressalta que no contato de crianças, jovens e adultos portadores de necessidades especiais – seja por comprometimento motor, mental ou em ambos os aspectos – a utilização dos cães facilita muito o trabalho do profissional, pois o indivíduo atendido não considera que está em processo terapêutico, mas sim, brincando com os cães. “Isso é importante porque as atividades fogem da rotina terapêutica à qual estão acostumados, gerando motivação em realizar as atividades, o que contribui muito para o desenvolvimento neuropsicomotor de nossos pacientes”, 


Fonte: Época SP - Publicado neste site em 11/08/2011