Translate       Traducir    
Boletim de Notícias
Boletim Eletrônico - N° 1135
  
RECEBA AS NOTÍCIAS POR E-MAIL Cadastre seu E-mail
linhagrossa
Faça uma homenagem ao seu Pet, acenda a Chama da Recordação, clique aqui.
 
Cães mantidos em prédio são resgatados em Porto Alegre

43 cães de guarda eram mantidos em condições precárias na capital.
G1 entrou em contato com a empresa responsável e aguarda retorno.

Cães encontrados em depósito abandonado terão novo lar (Foto: Vanessa Silva/PMPA)
Cães encontrados em depósito abandonado terão novo lar (Foto: Vanessa Silva/PMPA)

A Secretaria Especial dos Direitos Animais (Seda) e a Procuradoria-Geral do Município de Porto Alegre removeram na sexta-feira (5) 43 cães encontrados, muitos sem água e sem comida, em um prédio na Rua Voluntários da Pátria, na área central de Porto Alegre. Os animais eram mantidos no local por uma empresa de aluguel de cães de guarda. O G1 entrou em contato com a empresa responsável e aguarda retorno.

A Seda e o Ministério Público Estadual agora irão definir um destino para os animais. Enquanto não ocorre uma definição, os cães ficarão abrigados na Associação Pró-Bicho Gaúcho e na Onda Animal.
'Não dá mais para admitir que, passada uma semana da aprovação do Projeto de Lei que proíbe o serviço de cães de guarda no Rio Grande do Sul, essas empresas continuem submetendo animais à escravidão e, o que é mais grave, na imundice”, disse a secretária dos Direitos Animais, Regina Becker.

No depósito onde estavam os cães, fiscais da prefeitura encontraram também ratos mortos (Foto: Vanessa Silva/PMPA)No depósito onde estavam os cães, fiscais da
prefeitura encontraram também ratos mortos
(Foto: Vanessa Silva/PMPA)

No depósito onde estavam os cães, fiscais da prefeitura encontraram também ratos mortos. A Assembleia Legislativa aprovou em 26 de março um projeto de lei que proíbe o uso de cães de guarda em prédios e obras, e dá prazo para que as empresas substituam os animais por um profissional remunerado.

“Encontramos cães com comida e outros sem potes de água e ração. A maioria deles estava desnutrido e machucado, convivendo com ratos”, relata a coordenadora da Área de Medicina Veterinária (AMV) da Seda, Márcia Gemerasca

Segundo o veterinário Mateus Lange, do Conselho Regional de Medicina Veterinária do Rio Grande do Sul (CRMVRS), tanto a empresa quanto o responsável técnico pelos animais têm registro na entidade. Agora, o Conselho vai aguardar o relatório da Seda para abrir um processo administrativo.

Fonte: G1 - Publicado neste site em 19/04/2013