Translate       Traducir    
RECEBA AS NOTÍCIAS POR
E-MAIL
Cadastre seu Endereço aqui
News Criador On-line
Boletim Eletrônico - N° 1370 - #3
  
-
Software Animal Manager, essencial para seu negócio prosperar, acesse aqui.
 
• Caso não esteja visualizando o texto deste boletim, acesse: www.criadoronline.com.br/boletim
• Para remover seu endereço de nossa lista acesse aqui
Dócil e de porte moderado, beagle é raça tradicional para pesquisas

Segundo especialista, variedade virou cobaia primeiro na Inglaterra.
Uso de cães ocorre em casos em que roedor não é adequado.

Beagles foram levados por ativistas de laboratório de pesquisas em São Roque (Foto: Arquivo Pessoal)
Beagles foram levados por ativistas de laboratório de pesquisas em São Roque (Foto: Arquivo Pessoal)

A escolha de cães da raça beagle para uso em pesquisas é comum, de acordo com o médico veterinário Marcelo Weinstein Teixeira, membro da Comissão de Ética, Bioética e Bem-Estar Animal do Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV).

Vários beagles foram levados do Instituto Royal, em São Roque (SP), por ativistas, na madrugada desta sexta-feira (18), motivados pelas suspeitas de que os bichos sofriam maus-tratos no local.

Weinstein explica que o fato de o beagle ser um cão de pequeno a médio porte facilita o controle e os gastos de pesquisa. Além disso, ele é um cão dócil. “Historicamente, o beagle é mais utilizado porque, na Inglaterra, criava-se muitos cães beagle e os pesquisadores britânicos começaram a usá-los em estudos”, diz Teixeira.

O pesquisador conta que outros países passaram a adotar esse modelo experimental posteriormente. Segundo o especialista, outras raças de cães também podem ser submetidas a testes, mas a escolha geralmente recai sobre o beagle porque, como já existem mais estudos com essa raça, seu uso facilita a obtenção de parâmetros de comparação mais confiáveis.

Os cães são utilizados para testes tanto de produtos voltados para os próprios cachorros, como rações, quanto para produtos voltados para humanos. “Podem ser testados novos antibióticos, produtos para a pele, para o sistema imunológico. Toda vez que a pesquisa requer um animal maior que um roedor, ou quando o roedor não se adequa à pesquisa, o beagle é uma opção”, diz o veterinário.

Instituto Royal

Quanto ao caso do Instituto Royal, Teixeira afirma que é preciso que investigações sejam feitas para constatar se o laboratório estava seguindo todas as normas estabelecidas para esse tipo de prática. “Os grupos de ativistas têm papel importante porque, no passado, eles alertaram que excessos eram cometidos. Antes, não existiam normatizações e eles têm um papel importante na história”, afirma.

No entanto, segundo o veterinário, os ativistas não poderiam agir da maneira como fizeram. “Essa ação fere outras leis, ninguém pode invadir uma propriedade privada. Fazer um movimento pode, mas fazer baderna e quebra-quebra não é permitido, houve um exagero”, avalia.

Ele afirma ter visto as imagens do interior do instituto pela televisão e considera que as instalações, a princípio, pareciam “dignas” e sem irregularidades. Segundo ele, as fezes dos animais que foram vistas nas instalações podem ser decorrentes do próprio estresse que os animais sofreram com a entrada dos ativistas.

“Se ficar provado que a instituição, apesar de estar apta a fazer experimentos, não cuidava corretamente dos animais, não respeitava os protocolos como foram preconizados, essa instituição deverá ser punida”, completa.


Fonte: G1 - Publicado neste site em 30/10/2013


 

Veja mais notícias em nosso site, acesse: www.criadoronline.com.br/news
 

-
O "News Criador On-line" é enviado a pessoas cadastradas ou indicadas. Se não deseja recebe-lo, ou considera que foi cadastrado indevidamente, por favor, clique aqui para remover