Translate       Traducir    
RECEBA AS NOTÍCIAS POR
E-MAIL
Cadastre seu Endereço aqui
News Criador On-line
Boletim Eletrônico - N° 1142 - #3
  
-
Software Animal Manager, essencial para seu negócio prosperar, acesse aqui.
 
• Caso não esteja visualizando o texto deste boletim, acesse: www.criadoronline.com.br/boletim
• Para remover seu endereço de nossa lista acesse aqui
Grupo se mobiliza pela internet para salvar animais de canil em Tibiriçá

Mais de duas mil pessoas participaram da mobilização pelas redes sociais.
Cerca de 60 animais foram encontrados em estado de abandono no local. 

Cão apelidado de
Cão apelidado de 'Félix' foi encontrado magro e abatido (Fotos: Grupo SOS Tibiricá e Leandra Marquezini/Divulgação)

Os cerca de 60 cães encontrados em janeiro deste ano em total abandono em uma chácara de Tibiriçá, distrito de Bauru (SP), vivem hoje uma situação bem diferente. 

Após uma intensa mobilização através das redes sociais, os animais se recuperam e foram transferidos para verdadeiros lares. “Agora eles são tratados como vida, antes eles só eram objetos utilizados na fabricação de filhotes”, comenta a empresária 

Leandra Marquezini, uma das voluntárias ativas na campanha de ‘salvação’ dos cães.
Com mais de 2,5 mil membros, o grupo SOS Tibiriçá criou uma verdadeira ação de guerra para tentar salvar os animais. A mobilização contou com até com uma escala de horários para controlar a entrada e saída do canil.

Além disso, um local de doação foi montado e lá, remédios, ração e materiais de limpeza e curativos foram enviados. Foram toneladas de donativos de pessoas e empresas. “Por ter sido muito grande, o trabalho foi árduo. Tivemos que coordenar pessoas, animais e doações. Não foi fácil, mas faria tudo de novo, tenho orgulho de ter feito parte desse grupo que salvou esses animais”, conta Leandra.

Desde janeiro, voluntários se dividiram para salvar a vida dos animais (Foto: Leandra Marquezini)
Desde janeiro, voluntários se dividiram para salvar a vida dos animais (Foto: Leandra Marquezini/Divulgação)

Local de ajuda

Além de ser utilizada como um painel onde o bem estar dos animais é divulgado, o grupo formado pelos voluntários do interior de São Paulo, também foca sua atenção para outros resgates. Todos os dias, membros publicam imagens e pedem ajuda para socorrer cães e gatos de Bauru e região.

São animais encontrados nas estradas, perdidos, doação de filhotes, buscas por lares temporários, etc. Além disso, os voluntários divulgam notícias de maus tratos e mantém contato com outras organizações.

“Vão ficar comigo”

Três meses após a denúncia da situação dos animais, a página do grupo hoje serve para colher os frutos do trabalho. Os novos donos dos animais postam fotos e compartilham o estado de saúde dos labradores, rottweilers, golden retrievers, dálmatas, são bernardos, sheepdogs e outras raças doa animais que foram resgatados.

É o caso de Priscila, uma cachorra da raça sheepdog que está sob os cuidados da empresária Rose Munhoz, em uma chácara de Lençóis Paulista (SP). Rose é dona de um canil de filhotes de pastor alemão e quando viu o caso do canil na rede social, resolveu ajudar. “Levamos ração, shampoo e outros produtos de limpeza. A situação era muito triste, chegava ao deplorável. Quando eu cheguei, a Priscila estava largada e sem forças para nada. Hoje, ela está linda e cheia da vida”, conta.

Além da sheepdog, Rose ficou com outros cinco animais, todos em estado severo de desnutrição e maus tratos. Um dos cães tinha um ferimento tão grande na pata que foi preciso amputar e quando questionada sobre a posse dos cachorros que ainda estão provisoriamente na chácara, a empresária é categórica: “Vão ficar comigo. Não dou, não vendo, não empresto”, brinca.

Dálmata tentava comer a própria pata. Ela vive na chácara e foi apelidada de
Dálmata tentava comer a própria pata. Ela foi resgatada e vive na chácara da empresária (Fotos: Grupo SOS Tibiriçá e Rose Munhoz/Divulgação)

Inquérito

Os cerca de 60 cães encontrados no canil Infinity foram descobertos após uma ordem de despejo dos donos por falta de pagamento do aluguel em janeiro deste ano. Os cachorros, a maioria de raças nobres, foram encontrados sem a higiene adequada, desnutridos e doentes.

Segundo os voluntários, a situação de maus tratos era tão grande que um dos cachorros chegou a comer o próprio filhote de tanta fome. De acordo com as investigações, há a suspeita de que pelo menos 20 animais tenham morrido. Conforme uma decisão provisória da Justiça, eles foram socorridos e encaminhados para lares temporários de duas ONGs.

Um inquérito foi aberto para investigar se o lugar tinha licença de funcionamento. Segundo o delegado responsável, Dinair José da Silva, o dono do canil já havia respondido a processo por maus tratos em 2011.  “Já existe um termo circunstanciado contra ele. Nos últimos dois anos, a situação piorou e por isso chegou os animais nestas condições lamentáveis”, explica.

Cães foram encontrados em situação de total abandono (Foto: Leandra Marquezini)
Cães foram encontrados em situação de total abandono (Foto: Leandra Marquezini/Divulgação)

Após a denúncia, o dono do canil Infinity se apresentou à polícia junto com o advogado e negou os casos de maus tratos. “Ele alegou que cuidava dos animais e disse ainda que não havia dado tempo de tratar dos cães quando a ONG chegou, mas os laudos que tivemos comprova que isso é uma inverdade”, confirma o delegado.

O inquérito, que deve ser finalizado no mês de abril, ouviu o depoimento de cerca de 10 pessoas e ainda apresenta laudos onde mostram lesões graves nos animais. “A pena para maus tratos de animais varia de três meses a um ano de detenção, mas neste caso, na ótica da Justiça, se condenado, ele pode responder a pena para cada cachorro, ou seja, a punição é individual para mais de 50 animais”, ressalta Dinair.

Fonte: G1 - Publicado neste site em 19/04/2013


 

Veja mais notícias em nosso site, acesse: www.criadoronline.com.br/news
 

-
O "News Criador On-line" é enviado a pessoas cadastradas ou indicadas. Se não deseja recebe-lo, ou considera que foi cadastrado indevidamente, por favor, clique aqui para remover